sábado, 22 de agosto de 2009

ACIDENTES COM FOGÃO A GÁS


FOGÃO A GÁS




Ter crianças pequenas em casa exige cuidados especiais com o fogão para impedir tragédias domésticas, como a criança virar panela com água fervendo ou óleo quente sobre si mesmo.
















Terça-feira 17 de Junho de 2008
A Organização não-governamental Criança Segura lançou uma campanha para alertar os pais sobre os ricos de queimaduras. As ações começaram a ser desenvolvidas desde o início do mês de junho (2008), data do Dia Nacional de Luta contra Queimaduras. De acordo com a ONG, este tipo de acidente é a quarta causa de morte e hospitalização de crianças e adolescentes de até 14 anos no Brasil.

Para se ter uma idéia da gravidade do problema, no ano de 2005 mais de 300 crianças morreram e cerca de 17 mil foram internadas vítimas de queimaduras. As causas são, geralmente, contato com líquidos quentes, fogo e choques elétricos. Já as conseqüências podem ser muito graves, podendo trazer seqüelas físicas e emocionais.



Aumenta número de crianças com queimaduras no Walfredo Gurgel
18/01/2009 - 12:30 | Atualizada em: 18/01/2009 às 12:30 por Redação Diário de Natal

Um simples descuido, uma imprudência e pronto: temos um acidente doméstico de grandes proporções. O número de atendimentos de pessoas queimadas no Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG), em seu Centro de Tratamento de Queimados (CTQ), vem crescendo a cada ano. E o número de acidentes envolvendo crianças, entre zero e 14 anos, também. Ao invés das tradicionais queimaduras decorrentes pelo uso de fogos de artifício, o CTQ tem registrado um grande número de casos provocados por líquidos superaquecidos, como água, café, leite e sopa. ‘‘No ano passado, tivemos um aumento de 20% no número geral de atendimento a pessoas queimadas. A característica se mantém: acidentes domésticos que levam a casos mais graves, inclusive com risco de vida, necessitando de internamento do paciente. A principal causa é a queimadura por líquido aquecido que respondeu por 44% dos atendimentos em 2008’’, afirma o médico Edilson Carlos de Souza, chefe do centro. Em todo ano de 2008, 1.060 casos de queimados foram registrados pelo CTQ, entre adultos e crianças, sendo que 483 casos foram provocados por líquido aquecido, vitimando 208 crianças. No mesmo período, foram registrados apenas 42 casos causados por fogos de artifício, dos quais 26 foram com crianças - mesmo no mês de junho, o número de casos por rojões, traques, bombas e fogueiras foi de 16, enquanto o de líquidos aquecidos foi de 47 ocorrências envolvendo crianças. Edilson Carlos afirma que o fundamental é o trabalho de prevenção. ‘‘A prevenção é a única saída. O governo precisa investir na educação, em campanhas institucionais preventivas durante todo o ano, assim como temos campanhas para prevenir o fumo e a Aids. No mês de junho ganhamos mais espaço na mídia devido aos festejos juninos e temos o Dia Nacional dos Queimados, mas não é o bastante. O espaço na mídia é fundamental’’.

Os líquidos aquecidos, desde 2005, representam cerca da metade dos casos de queimaduras tratadas no CTQ e este número está evoluindo para pior. Em 2005, o CTQ atendeu 275 casos de queimados, dos quais 140 foram causados por líquidos. Em 2006, 730 casos atendidos, sendo 440 por líquidos. Em 2007, o total foi de 865 casos, sendo 400 por líquidos aquecidos. Outras causas que vitimam crianças ficam bem atrás nas estatísticas das queimaduras. Segundos os dados, nos anos de 2008, 100 casos foram resultados por produtos químicos (67 em 2007), 27 por álcool (17 em 2007), 54 por choque elétrico (39 em 2007), e 42 por cano de moto (56 em 2007). ‘‘O grande problema trazido pelas queimaduras são as sequelas que ficam para o paciente. Sequelas de ordem psicológica, pois o trauma pode persistir por toda vida; estética, quando ficam cicatrizes ou deformações; e funcional, quando o paciente não poderá mais usar um membro, por exemplo’’, afirma o médico.




Atendimento a queimados só cresce

O Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Walfredo Gurgel possui uma estrutura de 19 leitos para pacientes queimados, sendo que seis deles são para crianças. Segundo a enfermeira chefe Leonor Paiva, com 22 anos de experiência no tratamento de queimados, ‘‘o número de casos está tão alto que estamos registrando uma média de 8 crianças internadas. Não há leitos disponíveis, quando desocupa um, já temos pacientes aguardando. Uma criança queimada é motivo de preocupação e quando a queimadura é de segundo grau esse risco é muito maior porque ela fica suscetível à infecções, pois trata-se de uma lesão que causa bolhas e onda há perda da pele’’.

Se não houver infecção, as queimaduras de segundo grau poderão cicatrizar entre duas a três semanas. Dependendo da extensão das lesões as crianças poderão ser internadas. ‘‘Geralmente internamos as crianças que chegam com queimaduras nas extremidades, como mãos e pernas, além da face’’. Das oito crianças internadas no momento desta reportagem, cinco eram os casos de queimaduras por líquidos superaquecidos.

Segundo Leonor Paiva, a maior causa para esse tipo de acidente ainda é o descuido dos pais. ‘‘Atribuimos o aumento do número de casos ao período de férias e às condições sócio-econômicas das vítimas. Muitas vezes essas crianças vivem em casas onde só há um cômodo, brincando e dividindo espaço com o fogão. Também há casos de crianças tomando conta de outras menores. É sempre um perigo. Basta uma distração, por menor que seja, para que a criança puxe uma panela que está no fogão e o conteúdo derrame em cima dela’’, alerta.

A primeira medida de prevenção, de acordo com a enfermeira, seria nunca deixar crianças sem a supervisão de adultos. Outra é deixá-las longe do fogão e dos líquidos aquecidos. ‘‘Os pequenos detalhes fazem toda diferença. As crianças são curiosas, elas querem pegar, querem ver.

Se o acidente não puder ser evitado, é importante saber também o que não fazer em casos de queimaduras. Leonor Paiva adverte que, apesar da crendice popular, substâncias como pasta de dente, margarina, manteiga, óleo, pó de café ou mesmo cinzas não devem ser utilizadas no local da queimadura. ‘‘Muitos dos casos que recebemos aqui vêm com coisas desse tipo. Há o risco de infecção e dificulta a limpeza do local. A manteiga e a margarina, ao invés de aliviar, terminam retendo calor no local’’. Ela ensina que deve ser usado apenas água fria ou corrente, na região atingida, que deve ser coberta. O paciente deve ser enviado imediatamente a um pronto-socorro.

Embora em número significativamente superior, as queimaduras causadas por líquido aquecido costumam ser mais brandas que as de outros tipos. A enfermeira explica que queimaduras por choque elétrico, fogo e por álcool geralmente aprofundam e não cicatrizam sozinhas, sendo necessária uma cirurgia restauradora, o enxerto de pele. ‘‘Essa é a característica da queimadura de terceiro grau, elas não cicratizam sozinhas’’.

ESTRUTURA

O Centro de Tratamento de Queimados, inaugurado em fevereiro de 2006, é composto por quatro enfermarias, um ambulatório - aberto nas segundas, quartas e sextas-feiras e que conta com consultório e sala de fisioterapia - duas salas de cirurgia, uma sala de balneoterapia, onde o paciente pode tomar banho sob efeito de anestesia, e uma sala de curativo.

‘‘Em termos de infra-estrutura, nossa unidade é muito boa. Dispomos de uma equipe multi-profissional que incluem cirurgião plástico, clínico pediatra, psiquiatra, dois fisioterapeutas, dois nutricionistas, além de uma equipe de enfermeiros e técnicos de enfermagem. Precisamos ainda de psicólogo, terapia ocupacional e fonoaudiólogo’’, afirma Leonor.

Atenção

DICAS IMPORTANTES

O que não fazer em caso de queimaduras - Substâncias como pasta de dente, margarina, manteiga, óleo, pó de café ou mesmo cinzas não devem ser utilizadas no local da queimadura, pois podem provocar infecções e dificultam a limpeza da área afetada.

O que fazer - A região afetada deve ser lavada com água fria ou corrente e coberta com um pano limpo. O paciente deve ser enviado imediatamente a um pronto-socorro.

Como evitar acidentes com crianças e líquidos superaquecidos
- Evite deixar crianças sozinhas em casa ou próximas ao fogão;
- Evite colocar líquidos quentes nas bordas da pia ou da mesa;
- Procure usar as bocas de trás do fogão, sem esquecer de deixar os cabos das panelas voltados para dentro;
- Evite transportar líquidos do fogão para a pia ou para a mesa quando crianças estiverem por perto;
- Evite comer com a criança no colo, pois ela pode puxar e emborcar o líquido sobre ela.

Personagem da notícia

Uma queda em cima da panela

Kaadjamiliana dos Santos, de apenas dois anos de idade, estava com um irmão e a avó Maria das Graças, em sua casa, no município de Touros. ‘‘O bujão de gás secou e eu fiz um fogareiro no chão. Ela estava brincando com o irmão e eu estava fritando um galeto. Quando eu vi, ela caiu em cima da panela com óleo’’, relata a avó. A menina teve queimaduras nas mãos e nos pés. Na hora do acidente, dona Maria das Graças passou pasta de dente e depois água de côco nas queimaduras da neta, que foi levada para um hospital e encaminhada para o Walfredo, onde estava internada há quatro dias. ‘‘Agora eu sei que só devo usar água’’.

Personagem da notícia

Acidente com cabo da panela

O estudante Wagner Luciano Rodrigues, 10 anos, foi outra vítima. Ele estava sozinho em casa, no conjunto Parque das Dunas, com o irmão pescador Lucimário do Nascimento, 18, quando o cabo da panela com café fervente tirada por Lucimário do fogão quebrou e o líquido foi despejado nas costas e braços do estudante. ‘‘Ele ia passando quando a panela quebrou. Passei manteiga e óleo no lugar queimado e coloquei ele na janela para aliviar a dor. Isso foi no sábado à noite. No outro dia trouxeram ele para cá’’, relata Lucimário, que ainda quis passar água nos ferimentos, mas foi desaconselhado pela tia. ‘‘Ela disse que a água fria poderia pipocar e fazer a pele dele cair’’.

Um comentário:

Juliana Migliorati disse...

É a ala de queimados vive lotada decrianças e a maioria das queimaduras ocorrem por acidentesdomesticos e tantas outras por tentativas de suicidio!
Crianças que foram abusadas ou algo parecido! Muito triste essa realidade. beijo e obrigada pela atenção