quinta-feira, 9 de outubro de 2008

PIPA / PAPAGAIO

A SEQUENCIA DE FOTOS ABAIXO, MOSTRA A TENTATIVA DO RESGATE SALVAR A VIDA DESTA MOTOQUEIRA QUE TEVE SUA CABEÇA QUASE DECEPADA COM A LINHA DE UMA PIPA, FATO OCORRIDO EM UMA RODOVIA NO INTERIOR DE SÃO PAULO.
FAÇAMOS UM MOVIMENTO NACIONAL PARA QUE OS MENINOS SÓ BRINQUEM COM PIPA EM LOCAIS TOTALMENTE SEGUROS. SÃO MUITAS MORTES PROVOCADAS POR PIPA NO BRASIL....










LEONARDO ARAUJO DE 9 ANOS, MORREU EM DUQUE DE CAIXAS NO RIO DE JANEIRO QUANDO CAMINHAVA E FOI ATINGIDO PELA LINHA DE UMA PIPA COM CEROL QUE CORTOU SEU PESCOÇO, MESMO SOCORRIDO NAO RESISTIU AO FERIMENTO E MORREU. O VELORIO FOI NO DIA DE NATAL E O PAI ESTAVA INCONFORMADO



Um perigo que passou perto do carroceiro José Eustáquio dos Santos, 47 anos. Morador da AR 14, em Sobradinho II, ele teve 10 centímetros do pescoço cortado por uma linha de pipa envolvida com cerol (mistura de cola com vidro moído). Eustáquio foi levado ao Hospital Regional de Sobradinho e, por sorte, sobreviveu. O ferimento ficou a poucos milímetros de atingir a traquéia responsável por levar ar aos pulmões, e das artérias e veias que levam sangue ao cérebro.

Segundo um dos médicos que estavam de plantão no hospital, que preferiu se identificar apenas como Carlos, 35 anos, o paciente não morreu por milagre. "A sorte foi que não atingiu os vasos sangüíneos", explica. José Eustáquio teve o pescoço suturado com 16 pontos.

De acordo com a vítima, ele voltava de uma casa agropecuária onde havia comprado ração para alimentar seu cavalo. Ao passar de bicicleta pela área central, avistou vários garotos soltando pipa no meio da rua, mas não imaginou que isto representasse perigo, uma vez que os jovens se reúnem todos os dias. "A rua estava cheia de meninos. Quando eu percebi, meu pescoço já estava sangrando", relembra. "Ainda bem que eu estava devagar, porque se estivesse rápido, ou de moto, eu teria morrido", acredita.




PIPA É UMA ARMA MORTÍFERA, SÓ PEGA NEGUINHO PELO PESCOÇO.



Por dois centímetros, uma linha de cerol não atingiu a artéria aorta no pescoço do motorista Lucivaldo Cássio Bressanin. O acidente aconteceu por volta das 17h de sábado, 27.
Bressanin passava pela rua Angelino Ferrazin, na vila Saul. Ele dirigia sua moto, quando teve o pescoço atingido por uma linha de cerol que havia se soltado de uma pipa.
O cerol é uma pasta usualmente feita com a mistura de cola e caco de vidro, principalmente de lâmpadas fluorescentes. É colocado em linhas grossas de pipas. O objetivo é que a linha com cerol corte as linhas de outras pipas, derrubando-as.
Mesmo sendo proibido, o uso de cerol é um hábito muito comum principalmente entre os adolescentes. O período de maior ocorrência de acidentes provocados pela linha com cerol é entre julho e agosto.
O clima seco e com bastante incidência de vento facilita o ato de empinar as pipas. O período também coincide com as férias escolares.
Apesar dos constantes acidentes envolvendo o uso de cerol, não há uma estatística exata sobre sua quantidade. Normalmente as Polícias Civil e Militar registram esses acidentes como ocorrências de danos ou lesão corporal.
A maior parte das vítimas são motoqueiros. Nesses casos, o responsável pela linha que causou o acidente responde judicialmente pelo dano.
“Se for menor, irá responder por ato infracional e se for maior responde pelo crime que cometeu. Se o cerol causar a morte de alguém, irá responder por homicídio”, explicou o delegado Renato Caldeira Mardegan.
Acidentes — Somente nas últimas semanas aconteceram acidentes em três cidades da região — Bauru, Ourinhos e Santa Cruz do Rio Pardo — em que a causa foi o cerol em linhas de pipa.
Houve ainda um atropelamento na tarde de domingo, 28, na rodovia João Batista Cabral Rennó (SP-227), próximo a Ipaussu. A polícia investiga a possibilidade de a vítima ter invadido a pista porque estava atrás de uma pipa.
Em anos anteriores o cerol foi responsável pela morte de vários motoqueiros em cidades próximas, como Bauru e Marília.
Em Santa Cruz, o acidente da última semana só não foi mais grave porque o motorista estava em baixa velocidade com a moto e teve tempo para segurar a linha.
“Só notei o corte no pescoço depois de andar mais duas quadras. Segurei a linha assim que percebi. Minha camiseta estava encharcada de sangue. Tive uma hemorragia na hora”, lembra-se o motorista.
Bressanin ficou em observação por algumas horas na Santa Casa de Santa Cruz do Rio Pardo e levou dez pontos no corte provocado pelo cerol.
“Poderia ter morrido se a linha tivesse atingido a aorta”, comenta Bressanin.



AS IMAGENS FALAM POR SI SÓ



ESSAS PESSOAS MORRERAM PORQUE PESSOAS SOLTAVAM PIPAS COM CEROL EM AREA URBANA

ESTAS VIDAS PODERIAM SER SALVAS SE OS MOTOCICLISTAS INSTALASSEM UM DISPOSITIVO DE DEZ REAIS , UMA ANTENA NA FRENTE DA MOTO QUE SEGURA A PIPA, MUITOS NÃO PÕE O DISPOSITIVO POR ACHAR QUE DEIXA A MOTO FEIA...


PAIS IRRESPONSÁVEIS, DEIXAM OS FILHOS BRICAR DE PIPA EM ÁREA ONDE PASSA MOTO E BICICLETA

BRINCADEIRA QUE MATA, NÃO É BRICADEIRA




QUEM SOLTA PIPA E CAUSA A MORTE DE ALGUÉM, DEVERIA SER JULGADO POR HOMICIDIO DOLOSO, TEVE INTENÇÃO DE MATAR. QUEM PEGA UM ARMA E ATIRA PARA TODO LADO É ASSASSINO!!!!

































5 comentários:

Anônimo disse...

Hoje, dia 09 de agosto de 2010, na cidade de Ipiaú, no estado da Bahia, assistir a policia militar ratirar pipas das mãos de meninos que brincavam numa praça movimentada. Acredito que a brincadeira de soltar pipas é boa, desde que seja em local apropriado.

Anônimo disse...

oloko relo apario e fatio

Anônimo disse...

cade a pipa devolverao

Anônimo disse...

se ficar marcando com o gogo eu corto mesmo

Anônimo disse...

esse gogo merecia ser fatiado vivo com essa linha de pipa